Seguidores

domingo, 14 de dezembro de 2008

É preciso mais que cinco sentidos


O tempo vai passando,
os dias ficam mais límpidos e a mente mais clara.
No meu silêncio ouço seus passos dentro de mim.
Posso senti-los preocupados, porém, distantes;
Como se estivessem afastando-se do meu coração.
Meu olhar flutuando nos teus espelhos d´agua,
Se perdem em mistérios que são só teus.

Minha boca se cala, com lábios fechados,
Em beijos que não se tocam mais.

Sinto o aroma doce do passado, onde o sabor sentido,
era como se a importância pudesse cheirar no ar.
Todos os sentidos vibravam como uma sinfonia.
Os instrumentos se encaixavam em acordes suaves a tocar...Tocar...
Tocar de almas numa explosão de desejos a transcender o corpo.
Como se fosse uma canção ainda a ser escrita, mas...
A melodia pronta se ouvia dentro;
como seus passos a caminhar
na estrada ainda não desbravada do meu interior.

Quem dera agora deixá-lo livre pra me amar!
Mas não posso libertá-lo do que fechou em ti.
Você é o dono da chave. É seu próprio guardião.

Os cinco sentidos não são suficientes para me entregar;
Preciso de algo muito maior como outrora;
Quando não sabia distinguir seus passos;
Quando não sabia que caminhavas por um solo novo
que não podia ouvir, nem ver; só sentir.

Descobrir que alguém podia me amar
viajando dentro de mim, colhendo meu melhor.
Depois... Ah! Há sempre o depois...
A exigência de mais descobertas tomou o tempo da minha entrega
e a porta foi se fechando em angústia,
como se nada mais houvesse atrás dela e fechou.

Os espelhos dágua não me eram mais seguros para neles flutuar.
As águas turvas agora, revoltas a me procurar...
Nenhum encontro. Tudo saiu do lugar!
Guardei os desejos em noites brandas de luar;
hora na chuva, nas trovoadas;
hora ao vento com seus sons distantes num eco a dizer: Amor!

E o amor por mim foi o melhor caminho que trilhei,
foi o único que despertou uma nova mulher;
outras deusas que estavam adormecidas.
De mãos dadas a elas vivi, cresci e morri.

As quero de volta! Todas elas com seus aromas de fêmea.
Passos cheios de si.
Vê-las transbordar de alegria na taça nobre do amor.
Quero na boca o sabor de mil beijos,
sentir a alma transcender numa entrega.
Como porta sem sentinela; aberta,
para receber o milagre puro e divino de viver!

Quero o amanhã de outrora,
novo como foi e livre como hoje,
quando os cinco sentidos, já não tocam mais a sinfonia,
mas... Meu ser vibra uma melodia que ninguém pode ouvir!


Elaine Barnes

4/11/2002

Nenhum comentário: