Seguidores

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

O Trem do Tempo


Lá vai o trem do tempo,
A me levar num vagão.
Triste no descampado, o vento...
Sopra suave sem razão.

A paisagem zomba correndo...
Marejando meus olhos vazios.
As linhas a desenhá-los, morrendo....
Nos trilhos dos caminhos sombrios.

O som do apito é um aviso,
Que o trem não tem parada;
E os meus olhos tão sofridos...
Seguem perdidos na estrada.

Outras linhas vão cruzando;
Marcando-me a face cansada;
Seu destino vai traçando...
Deixando minha alma calada.

Lá vai o trem do tempo...
Trilhando um rumo ao nascer,
Vai levando muito lento...
Quem zombou dele, a sofrer.

Seguindo o longo caminho,
Carregado dos ares da sorte;
Me parece estar sorrindo....
Ao levar a própria morte.

Elaine Barnes 1994

Nenhum comentário: