Seguidores

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Os Bancos Também Amam






Era uma vez dois bancos vazios, que
Há muito tempo moravam em uma praça.
E papo vai, papo vem, tornaram-se íntimos,
Contavam histórias com certa graça.

Falavam de antigos relacionamentos,
De paixões "sonrisal" efervescentes,
Como se o mundo fosse acabar,
Em borbulhas adolescentes!

Semelhantes juras de amor eternas;
Em ambos, juradas ao primeiro encontro.
Descreviam línguas virgens, ansiosas...
E corações batendo sexo pronto!

Houve também casos contados de brigas,
Em que cada um foi para o seu banco.
Disseram adeus em tristes despedidas...
Com lágrimas esquecidas num canto.

Proseando sobre as semelhanças da vida,
Os bancos perceberam que guardaram mágoas,
Mas, que também viveram muita alegria,
Pois sempre renovavam suas tábuas!

Pintavam novos anúncios;
E o romance sempre voltava,
E entre diversos assuntos,
O sol se chegava e brilhava!

Os bancos então descobriram,
Que nunca estiveram sozinhos.
Eram colos , ninhos de amor,
Para os casais de passarinhos!

De repente, como se fosse a primeira vez,
Olharam-se de maneira diferente.
Como tinham muito amor pra oferecer...
Por que não dar um ao outro esta chance?

Por viverem muitas histórias,
Descobriram que sempre esvaziavam,
A cada dia abriam espaço para o novo;
E somente agora enxergaram!

Inspirados no mesmo instante pelos pássaros,
Que limpavam o bico beijando a flor,
Os bancos brilhavam sentimentos maduros,
E trocaram juras de não sujar o amor.

Espelharam a nova nuance,
E descobriram-se enamorados,
Pintaram a essência do próprio romance,
Na tinta nova, o anúncio de apaixonados!

Elaine Barnes ( no banco da praça)

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Mesmice é pra Bela Adormecida


Se jogue na novidade
Abrace a possibilidade
Se atire na oportunidade
Jogue esse medo no abismo
Antes que ele te determine

Entre na realidade desse filme
Como na “Cidade dos Anjos”
Acorde seu inconsciente
Enfrente seus fantasmas
Mergulhe na sua mente
Com a nudez de um arcanjo!

Se jogue sem corda
Se essa mesmice te faz mal!
Se jogue no “diferente”
Acredite
Lá no fundo tem mola
A subida é certa e real

Se atire no arco-íris
Se banhe de cores lindas
Apanhe seu pote de ouro
Ele contém seus valores
Abra seu tesouro
Se dê “boas vindas!”

A bela adormecida um dia acorda
Desperte em uma vida nova
Enterre o passado sofredor
Renasça pra uma outra história
Nos braços do verdadeiro amor

Elaine Barnes

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Que Ponte Você É?


Poder levar o bem e o mal.
Poder trazer o açúcar e o sal.
Ser uma ponte consciente;
Que transporta as sementes.

Ser quem leva ao profissional,
A indicação de um cliente.
Ser a ponte pra vida real,
Na estrada da morte espiritual.

Ponte da cura ao doente,
Que o coloca no hospital.
A distancia do paciente,
Que atravessa seu quintal.

Ponte da loucura,
Que atravessa segura,
Por mãos que te guiam,
Até o buraco da fechadura.

Ponte que leva partes de mim,
Até as chaves da liberdade.
Sou a travessia que não tem fim...
Faço a ponte da amizade!

E que ponte é você?
Que não se ama de verdade?
Como pode levar o que não tem,
E trazer a felicidade?

Uma ponte está acima do bem e do mal.
Sente e leva sem julgamento um cristal,
Ou um grão de areia no vendaval.
Cuida das suas partes perdidas por igual!

O que importa é o resultado da travessia.
O que importa é a intenção do guia.
Ser ponte é ser o coração que alivia.
É ser esperança pra vida vazia.

Pontes de sonhos e fantasia.
Pontes de realidade e sabedoria.
Pontes que mostram o caminho.
Pontes que despertam a poesia.

Elaine Barnes ( cuidando das partes de mim)

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Amigos são Lanternas


Fico aqui tentando definir com os meus sentimentos o que é amizade pra mim.
Muito já li e concordei, muito senti e me calei. Muito quis dizer e não saiu. Muito Chorei quando arrisquei. No silêncio da minha alma feliz e em paz aqui a dedilhar, posso tentar imaginar meu coração batendo e em cada batida encontrar frases perdidas, que ficaram dentro de mim passeando pela minha vida.
Não importa quantos anos ficamos sem ver um amigo, o importante é não esquecer do que vivemos naquele momento em que fizemos e tivemos essa companhia inesquecível que partilhou conosco um registro do tempo.
A vida sempre nos coloca juntos de novo e o abraço que trocamos tem o mesmo amor daquele que nos demos por enumeras vezes quando somamos no passado algo singular. Um amigo não morre dentro da gente. Descansa. De vez enquando acontece de vir nos ver e vice-versa, não por obrigação, mas, por saudades. Isso é amizade!
Organizando frases que minha alma emana, digo ainda que um gesto se eterniza quando é verdadeiro, tem o poder de mudar nossa realidade. Amigo é aquele que te ouve do outro lado da linha, lá longe, quando se tem uma notícia boa e tem vontade de correr pra contar a todos e não dá. A distancia física impede e você não pode esperar. Quer falar tudo e ouvir a alegria, o sentimento, o bem querer, a torcida, coisas que só amigo consegue. Muitas vezes bate a tristeza, o desespero, à escuridão, nos sentimos pequenos e só podemos partilhar com quem confiamos. Isso nem sempre acontece em horários em que se pode atravessar a cidade. Graças aos meios de comunicação de hoje, não precisamos morrer de dor sozinhos. Amigo tem ouvido. Nos fazem sentir grande. Que sorte! Que benção!
Mesmo longe conseguem aquietar nosso coração, iluminam nossas mentes confusas. Amigo é lanterna!
No dia seguinte, já confortados, partilhamos com amigos próximos que nos ajudam a por em prática a nova situação. Nos abraçam e nos ajudam.
Construímos história todos juntos com nossas diferenças. Amigos se amam nas adversidades! Não se iludem com o falso poder, sabem que o único poder verdadeiro que muda tudo, é o poder do amor.
Quando se juntam pra dar forças em um momento triste e difícil, podem se transformar em um imenso colo de solidariedade e tão bom quanto isso é se juntar pra matar a saudades, pra festejar os bons momentos e comemorar qualquer coisa que possa nos unir ainda mais: na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, no amor e na fidelidade, na confiança e na saudade, na gargalhada e na bebedeira, nas lágrimas de emoção de um choro coletivo... Amizade de alma é um casamento sem traição, até que a morte nos separe.
É um respeito que o tempo constrói com tijolos de confiança indestrutíveis, pois quem ama de verdade gosta dos seus amigos só porquê eles também gostam de você. Amigo te defende quando espíritos de porcos chegam pra roubar essa energia porquê não tem. Querem ter o poder de destruir uma sólida construção de amor e fidelidade. Pobres infelizes. O mal existe e se não fosse ele como saberíamos do poder do bem e da nobreza da luz? Como saber que quem fala mal de você por trás não falará de mim também? (Sempre desconfiei de quem não tem amigos). Amigo não julga, entende e tenta ajudar, coloca as opiniões e diferenças com franqueza na sua frente, não conspira contra porque te ama e quer seu bem. Isso é qualidade, a quantidade não importa. Ele cuida com carinho porque tem a compreensão que um é parte do outro. Como maltratar um pedaço da gente? Poder iluminar é privilégio! Ser iluminado por eles é crescer melhorando o que somos, pois assim nunca estaremos sozinhos. São presentes na nossa vida, na mesma sintonia.
Ser amigo é ser rico e feliz por ter um grande valor. Eu sou. Tenho lanternas de amor!

Elaine Barnes
13/09/09

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Na Metade do Caminho



Quando era pequena achava que uma mulher de trinta anos era velha e me imaginava nessa idade, tão distante! E hoje chego aos cinqüenta me sentindo aquela menina. É incrível como dei uma imensa volta para buscá-la. Com o tempo entendi que precisava encontrar minha criança, cuidar dela, pedir perdão e com amorosidade trazer sua essência. Resgatar sua pureza. Traze-la de volta a vida! O brilho da purpurina que tantas vezes vi nos meus sonhos morreu no borralho e me perdi com ela na culpa de ter nascido.
Abandonei a mim e a ela por longos anos. Resignei-me, mas, não me indignei o suficiente, aceitei a culpa e vivi. Tinha algo em mim que sempre atraia pessoas, talvez um sorriso franco que dava a certeza que um dia me reencontraria. Muitos amigos eu fiz, muitas traições sofri, muito de mim perdi, mas, verdadeiros amigos, anjos de luz, me estendiam tapetes pra que eu encontrasse o chão. Minha criança ainda assustada guardava meu melhor com medo que eu brilhasse e não soubesse mais viver sem rejeição.
Vi minha prima se suicidar, vi minha mãe ter o mesmo fim, mas, eu havia dado a luz e isso ninguém tiraria de mim! Criei minhas filhas com muita criatividade e minha criança escapava pra brincar junto. Eu me amava tão pouco que esses momentos de plenitude me deixavam livre para voar.
Minha menina interior estava viva sim! Aos trinta e cinco anos comecei a fazer uma amizade forte com o papel e a caneta. Escrevi coisas simples, desabafei e partilhei os segredos tristes da minha vida com eles. Dei vida a personagens infantis e assim fui resgatando a pureza da minha alma.
Confessei em tantas folhas que queria ser feliz, me amar, precisava me dar valor e sentir importante pra mim mesma. Entendi que as palavras têm muita força, mas, que precisaria muito mais pra mudar a realidade que eu mesma havia criado. Precisava de atitude! Começar a colocar limites nas pessoas, pois era abusável. Aprender a me aceitar pra poder mudar. Longo tempo... Muita terapia e ajuda dos anjos amigos. Se fosse escrever um livro com todas as etapas e detalhes, mais as emoções, também seria longo, muito mais que esse texto. E escreveria outro só pra essa menina que hoje não faz tipo, não chora se não agradar, que assume as artes que faz, que defende seu lugar na fila, que se olha no espelho e sente-se feliz com o que vê; essa criança que muito quer descobrir; que muita coisa não viu e ainda quer ver; que hoje tem amor pra distribuir; que tem sorrisos pra ofertar, que renasceu livre pra voar nas asas da coruja; que não se permite ser humilhada como outrora, que ao voar alcança o sol!
Poderia se chamar: "O que e o porquê" rs...
Chego aos cinqüenta feliz por ter superado culpas que não tinha. E o mais importante: Até aqui com dignidade! Hoje sei que meu coração é uma cozinha, mas, conto porquê num outro dia! Por hoje, agradecer a todos que gostam de mim e a Deus que enumeras vezes como um bom Pai, me carregou no colo.
Parabéns Elaine Barnes (metade foi como deu a outra será muito melhor!)

8/09/09

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

CANTE-ME


Ah...Faz uma canção pra mim!
Daquelas que falam de paixão;
Saboreada na pêra do bandolim,
Diga também, que é meu seu coração.

Descreva em notas suaves,
Que me nota em mi na multidão,
Que meus sorrisos são claves...
Melodia da sua inspiração!

Ah, faz uma musica doce e melada!
Daquelas que se faz pra mulher amada,
Que arranca a da solidão.

Diz que sonha com meus beijos!
Rima meu corpo com desejos,
Descreva o mar, a lua o vulcão...

Encante-me com o sol na areia,
Que sou eu sua sereia...
Na forma do seu violão.

Cheio de si me toca e me conquista.
Que me entende como a clave de da revista.
Fascine-se, fascina-me de amor no chão!

Diz que é senhor da minha alma feminina,
E quando tudo termina, eu te fiz tão feliz...
Que você em começa tudo outra vez!

Elaine Barnes